segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história.O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e o AGORA.Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais... Mas, pensa só:Tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia?Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho?Quero viver bem. O ano que passou foi um ano cheio.Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal.Às vezes se espera demais das pessoas. Normal.A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor machucou.Normal.O próximo ano não vai ser diferente.Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?O que eu desejo para todos nós é sabedoria! E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência! Que todos consigamos, perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida.Não pode ser responsável por um dia ruim... Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passe-o para a categoria três, a dos colegas. Ou mude de classe, transforme-o em conhecido. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém.O nosso desejo não se realizou?Beleza, não tava na hora; não deveria ser a melhor coisa para esse momento (me lembro sempre de um lance que eu adoro: CUIDADO COM SEUS DESEJOS ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE).Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano.Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes.Desejo para todo mundo esse OLHAR ESPECIAL

(Carlos Drummond de Andrade)

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Devaneios!

Gostaria de poder me teletransportar para diversos tempos de minha vida.
Viver a magia de me tornar mocinha, a inocência de ser uma criança, a descoberta de tabus da adolescência e poder ter ciência da sábia mentalidade dos mais velhos.
Queria reviver a experiência do primeiro amor, a curiosidade do primeiro beijo e a ansiedade da primeira noite.
Daria tudo por aquele suspiro ao receber o diploma, a felicidade de ver nascer o primeiro filho e o orgulho de saber que o dever foi cumprido.
Na minha próxima vida desejo ser mais criança, menos resmungona, mais sorridente, menos chorosa, mais confiante, menos receosa.
Desejo recordar o brilho de cada olhar, o som de cada gargalhada, o toque de cada amizade.
Queria poder percorrer cada passo de minha vida, do início ao fim, sem mudar nada, somente para poder apreciar a importância e alegria de cada momento. Com menos culpa, mais leveza, menos medo, mais crença, menos vergonha, mais certeza, menos razão e mais emoção, com menos questionamentos e apenas curtindo sua intensidade. Assim, como a potência de um orgasmo!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Sigo meu instinto animal, ..., é hora de voar,

Amanheceu...é hora de voar...

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Minha próxima vida

(texto perfeito)

Na minha próxima vida quero vive-la de trás para frente. Começar morto para despachar logo esse assunto. Depois acordar num lar de idosos e ir-me sentindo melhor a cada dia que passa Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a aposentadoria e começar a trabalhar, recebendo logo um relógio de ouro no primeiro dia. Trabalhar por 40 anos, cada vez mais desenvolto e saudável até ser jovem o suficiente para entrar na faculdade, embebedar-me diariamente e ser bastante promíscuo, e depois estar pronto para o secundário e para o primário, antes de virar criança e só brincar, sem responsabilidades. Aí viro um bebê inocente até nascer. Por fim, passo 9 meses flutuando num spa de luxo com aquecimento central, serviço de quarto a disposição e espaço maior dia a dia, e depois - Voilà! - desapareço num orgasmo.

(Autor: Woody Allen)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

"Legislação de Guerra"

Quando se está solteira aos 20 anos, tudo parece lindo. É uma vida inteira pela frente. Temos o mundo para conhecer. Todos os gatos da faculdade para azarar e os quatro cantos da terra para desvendar.

Quando se chega aos 25 anos, começamos a nos apaixonar, a vislumbrar a possibilidade de assumir um namoro e, quem sabe, um dia, casar. Tudo depois de se estabilizar profissionalmente, amorosamente e financeiramente. E todos esses quesitos estarão se equilibrando lá pela fase balzaquiada.

Quando se chega aos 30 anos, já saboreamos a primeira paixão, sofremos pela décima decepção, insistimos na perfeição. Aguardamos e ainda lutamos por uma estabilidade em todos os quesitos. Acreditamos em nós mesmas e sentimos falta do desapego e daquela moça com 20 anos, que ainda imaginava um companheiro bem-resolvido. Nessa fase, estamos escaldadas, baleadas e maduras para enxergar sem ser por trás de névoas. Vemos os erros, os acertos e não nos contentamos com pouco. Queremos qualidade, mimo, trato, educação, respeito e consideração. É nesta fase que percebemos que nossa lista de exigências aumentou e a lista de aptidões dos candidatos reduziu drasticamente. É neste momento que estabelecemos regras, padrões e legislações destinadas à guerra. Um conjunto de regras fixado entre amigos com pensamentos similares e que vivem a mesma fase. Em vez de nos estabelecermos financeiramente para dividirmos uma vida com alguém, optamos por compartilhá-la com os guerreiros amados. Voltamos a imaginar que há uma vida inteira pela frente, que temos o mundo para conhecer, muitos gatos para azarar e os quatro cantos da terra ainda estão lá para desvendar. Desta vez com algumas boas vantagens: temos mais dinheiro, temos mais independência, temos mais maturidade, temos mais segurança. Sabemos o que queremos, como e onde queremos. Estamos cientes da posição que gostamos e sem hora para voltar para casa.

Quando se está nos 30 anos, percebemos que quando a guerra recomeça, não há planos de retorno, não há planos de vida a dois, não há espaço para um novo amor, porque descobrimos que o amor por nós mesmas já se basta!

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

"Migalhas na estrada"

É semelhante a história de João e Maria, ele vai deixando o rastro para não se perder no caminho. Demarcando o trajeto para que eu não o perca de vista. Traça todos os trechos por onde passou para que eu saiba onde esteve. Não há lacunas a preencher ou trajetórias a adivinhar. Ele registrou todos os passos para me manter informada. A distância dessa estrada é grande e o tempo perdido por ela também. Mesmo assim as migalhas não desaparecem. Ele continuou a ciscar, a apontar o caminho, a me levar até a luz, até onde ele estava. Até onde ele, de alguma forma, sempre esteve.

domingo, 9 de novembro de 2008


Hoje, uma das pessoas que mais amo na vida, que mais dá sentido a minha existência e que eu mais admiro completa 30 anos. Ela é luz, energia, renovação, exemplo, bondade, honestidade, entrega, amor, simplicidade, alegria, vida. Ela é minha razão, minha força, minha base, meu brilho, meu sentido, meu equilíbrio, um lembrete da força de deus, constantemente, dia-a-dia.

Didi, eu te amo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

UM DEFEITO NA MULHER





Deus fez a mulher, já estava nas horas extras de seu sexto dia de trabalho.Um anjo apareceu e lhe disse: 'Por que gastas tanto tempo com esta?' E o Senhor respondeu: 'Você viu minha 'Folha de Especificações' para ela?''Deve ser completamente flexível, porém não ser de plástico, ter mais de 200 partes móveis, todas arredondadas e macias e ser capaz de funcionar com uma dieta rígida, ter um colo que possa acomodar quatro crianças ao mesmo tempo, ter um beijo que possa curar desde um joelhoraspado até um coração ferido'O anjo se maravilhou com os requisitos. - E este é somente o modelo Standard? É muito trabalho para um só dia. Espere até amanhã para terminá-la, Senhor.- 'Não o farei, protestou o Senhor. Estou muito perto de terminar esta criação, que é a favorita de Meu próprio coração. Ela já se cura sozinha, quando está doente e pode trabalhar 18 horas por dia.'O anjo se aproximou mais e tocou a mulher.- 'Porém a fizeste tão suave Senhor!'.- 'É suave', disse Deus, 'porém a fiz também forte'. Não tens idéia do que pode agüentar ou conseguir.- 'Será capaz de pensar?' perguntou o anjo.Deus respondeu: - 'Não somente será capaz de pensar, mas também de raciocinar e negociar, mesmo que pareça ser desligada ela prestará atenção em tudo o que for importante'.Então, notando algo, o anjo estendeu a mão e tocou a pálpebra da mulher...- 'Senhor, parece que este modelo tem um vazamento... Eu Te disse que estavas colocando muitas coisas nela'. - 'Isso não é nenhum vazamento... É uma lágrima', corrigiu-o o Senhor.- ' Para que serve a lágrima?' perguntou o anjo.E Deus disse: - 'As lágrimas são sua maneira de expressar seu amor, sua alegria, sua sorte, suas penas, seu desengano, sua solidão, seusofrimento e seu orgulho.'Isto impressionou muito ao anjo.- 'És um gênio, Senhor. Pensaste em tudo. A mulher é verdadeiramente maravilhosa' .- 'Sim, ela é'! A mulher tem forças que maravilham os homens. Agüentam dificuldades, carregam grandes cargas físicas e emocionais, porém, têmamor e sorte. Sorriem, quando querem gritar. Cantam, quando querem chorar. Choram, quando estão felizes e riem, quando estão nervosas.Lutam pelo que acreditam. Enfrentam a injustiça. Não aceitam 'não' como resposta, quando elas acreditam que haja uma solução melhor. Se privam, para que sua família possa ter algo. Vão ao médico com uma amiga que tem medo de ir. Amam incondicionalmente. Choram quando seusfilhos não triunfam e se alegram quando suas amizades conseguem prêmios. São felizes, quando ouvem falar de um nascimento ou casamento. Seu coração se despedaça, quando morre uma amiga. Sofrem com a perda de um ser querido, mas são ainda mais fortes quando pensamque já não há mais forças. Sabem que um beijo e um abraço podem ajudar a curar um coração ferido. Porém, há um defeito que não conseguicorrigir:'É que às vezes elas se esquecem o quanto valem.'

quinta-feira, 6 de novembro de 2008


E foi assim que milhões de pessoas no mundo todo saudaram o novo presidente eleito dos Estados Unidos da América, Barack Obama. Sim, um negro eleito por um país considerado racista e atrasado. A emoção de jovens e velhos, brancos e pretos, homens e mulheres, heterossexuais e gays, americanos e anti-americanos, foi geral. Seu discurso levou multidões às lágrimas e sua eleição surpreendeu um mundo que já não acreditava mais em bom-senso na terra do tio sam. Será uma nova era? Um recomeço? Pra mim é uma prova de que ainda há esperança, de que o povo americano ainda tem conserto, de que nem tudo está perdido.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Dor




Existem dores e DORES.
Aquelas que nos faz nos contorcer de dor por conta de algo indevido que acontece no corpo são do tipo que eu prefiro ter.
Falo das que necessitam de morfina, de remédio, de anestesia, de médico. Dores dessa natureza me deixam mais aliviada, mesmo com o sofrimento muscular que podem vir a me causar. Isso, porque tenho como tratá-las, posso contar com a ajuda de um medicamento e me internar até ficar sã e salva. Tenho a possibilidade de arrumar muletas e licença-médica. Tenho um prazo para me recuperar.
Aquelas DORES, com letra maiúscula, que parecem intermináveis, eu procuro evitar, mas mesmo sem querer e, por enquanto, ainda me coloco em situações de risco. Essas dores são daquelas que não podem ser tratadas com remédios, não existem médicos preparados para essa patologia e o prazo de recuperação é indeterminado. O fato causador é possível de enxergar, mas as consequências são inimagináveis. É impossível apontar o local do corpo que dói, porque tudo parece um amontoado de cicatrizes abertas e sensíveis. Quando nos damos conta, a impressão que se tem é que todos os poros sangram. Detectar esse tipo de dor, ás vezes, é difícil a olho nu, mas se você parar para observar, atentamente, vai poder ver sinais de dores dessa natureza. São sinais vindos do olhar vago, das palavras amargas, do coração trancado, da alma fechada, da ausência de crença. Neste caso, acho que existe uma reabilitação, mas nunca uma recuperação completa. O fato é que você nunca sai a mesma depois de ter sentido esse tipo de dor.
Dizem que se existe a dor, é porque temos de senti-la. Se existe dor é porque há algum propósito.
Afinal, levar pancadas e não ter nenhuma dor é sinônimo de que alguma coisa não vai bem dentro de seu corpo. É a forma que o ser humano tem de dizer que alguma coisa errada está acontecendo com sua saúde.
Penso que a dor de alma tem o mesmo princípio. Se você leva rasteiras da vida e fica inerte, é porque falta um pouco de humanidade naquele espírito. Reagir a esses tropeços, é a forma que o ser humano tem de provar que é, de fato, gente.
Sei que a dor existe, em todos os níveis e alcances e concordo que elas existem por algum motivo. O que desconfio é que poucos, hoje, são gente o suficiente, pelo simples fato de não cansarem de provocar esse tipo de machucado, de natureza insuportável...e consequências irremediáveis
.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Dizer não

Autoria de uma amiga, Camila Briganti. texto, simplesmente, fantástico!!!

Dizer e escutar o não.O que é mais difícil?Talvez não seja importante. É difícil de qualquer jeito. Preparar o discurso para o não – normalmente sempre alguma desculpa qualquer ou a omissão do fato principal – e esperar o momento adequado.Como dizer que a gente não quer mais por que você é......simplesmente chato? Ou por que simplesmente......não te amo mais? Seria melhor dizer a verdade ou simplesmente dizer o que todos sempre dizem? Não. O problema não é você, sou eu.Não quero escutar que o problema é você. Não quero escutar que o problema é uma circunstância adversa daquela que é a real: simplesmente não quero mais estar com você.Não acredito em absolutamente nenhuma circunstância que faça você não estar comigo. Não acredito que nada possa fazer alguém ficar distante de alguém. Acredito fielmente que, quando estamos apaixonados, não há nada, ninguém e absolutamente nenhuma circunstância que possa afastar você de mim. Ou ele de você.Você simplesmente não quer. Seja lá qual for o motivo – que, cá entre nós, é irrelevante – você não quer.E, a partir do momento do não, não há absolutamente nada a se fazer. Não adianta ir atrás para descobrir se há outra mulher (quem procura, sempre acha). Se você não gosta de mim (ou dela) porque sou assim ou assado é irrelevante. O relevante é: você optou pelo não.E não que eu seja orgulhosa por não correr atrás. Parto de um simples e óbvio pressuposto: se para você é não, não há telefonemas, gestos, absolutamente nada que se possa fazer para modificar a sua decisão. A decisão já foi tomada. E sei o quanto é difícil dizer para o outro o tal do não.Se, por acaso, algum dia você mudar, a gente sabe que você vai me procurar. Você sabe que eu te amo. Você sabe que estou afim. Se vou estar afim caso algum dia você mude de idéia? Não sei. Impossível saber. Gostaria. Gostaria de ainda estar perdidamente apaixonada por saber que, sim, você é o Mister Right.Mas...também pode ser que não. Pode ser que eu não esteja mais afim. Queria ter o poder para saber o futuro. Já briguei muitas vezes com o destino, questionei Deus, fui à cartomante, astróloga, taróloga, coloquei santo de ponta cabeça no congelador.Adiantou? Não. Tá vendo?Mais um não.Nada disso vai mudar a sua cabeça. Nada e nem ninguém tem o poder de nos mudar, a não ser a gente mesmo. Ligar, brigar, agredir... desnecessário. Talvez eu só deixe você numa situação constrangedora, ou até com raiva. Tudo para me fazer entender e aceitar o não.Eu sei que sou especial e que você não quer me machucar. Mas o não, seja lá como ele foi falado e seja lá qual foi a desculpa, sempre dói. É inevitável o inconformismo.E... não quero ser especial. Muito menos fofa.Quero ser mulher. Eu sou mulher, porra.Mas não. Não espere eu ligar. O não veio de você. E para ele virar sim, ele tem que vir também de você, de dentro de você. Do seu coração. E principalmente de coração. Mas isso você só vai descobrir longe de mim.A partir do não, vivo os outros “sins”. A expectativa, a esperança, os pensamentos, a dor... vão embora. A gente sabe que passa. Sempre passa. E vai passar.Não vai ser você, ou eu, que vai alterar a realidade do presente não.Ainda te amo.E espero tão logo não mais amar.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008



Tem dias que a tempestade impede que se enxergue o horizonte, os dias viram noites sem luar. As horas pesam e as lágrimas escorrem, sem esperança ou dimensão. Todos os discursos sobre um novo dia perdem o sentido e a verdade, mas, com o tempo, se conhece o poder de um novo amanhecer, de uma nova aventura. As surpresas no decorrer dos dias transformam os ideais, as possibilidades e recuperam a velha crença. O antigo dá lugar ao novo, o anterior é substituído pelo posterior. Os objetos usados são jogados fora junto com as lembranças. Ao todo se aplica um novo cheiro, um novo olhar. É outra hora, outro caminho, novamente repleto com noites de luar.



Penso que cumprir a vida seja simplesmenteCompreender a marcha e ir tocando em frenteComo um velho boiadeiro levando a boiadaEu vou tocando os dias pela longa estrada eu vouEstrada eu sou

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

"Os contrastes também servem para nos construir"
De uma ótima jornalista que não tive tempo de fazer amizade!

domingo, 19 de outubro de 2008


Ando meio embaralhada, confusa e sem tempo de colocar a casa em ordem. Ando por ai metendo os pés pelas mãos e sem apego nenhum. A bagunça é geral e o único item organizado é o meu profissional. Há meias na gaveta dos casacos, sapatos com as calcinhas. Meu pensamento anda perdido e o coração não tem mais foco. Sou uma caixa cheia de itens amassados e meu ferro está quebrado.

terça-feira, 14 de outubro de 2008



Coração apertado, confuso, ansioso, receoso, esperançoso, triste, medroso...

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Recomeçando...



Ficava naquele chove e não molha, ela olhava e ele também.

Os dois se tocavam por acidente, mas o corpo enrijecia

As mãos estavam inquietas e o corpo suava.

Na conversa, o menu contava com amenidades.

Ambos acreditavam que estavam sendo discretos, com exceção da intimidade velada e da saudade declarada.

O momento se foi e cada um seguiu seu rumo, com direito a segundo turno, com um novo rosto, um novo personagem, um recomeço, um novo mundo...


sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Será o fim do Império americano?

Nesses últimos meses temos presenciado oscilações na economia mundial e, no ápice da turbulência, o planeta assistiu (e aplaudiu) a derrocada do governo Bush. Se por um lado há empresários e investidores preocupados com a queda no mercado de ações e nos financiamentos, há uma grande parcela que torce pelo fim desta era de "Tio Sam".

Muitos acreditam não ser possível o fim do Império Americano simbolizado pela casa branca e por inúmeros filmes que exaltavam a potência e hegemonia dos Estados Unidos da América, mas é só dar uma espiada na história para saber que todos os impérios caíram e foram substituídos por outros.

Foi assim com o Império Romano, por volta do século III, os romanos passaram por uma crise econômica e política de proporções gigantescas. Os gastos com luxo, a corrupção, a redução do números de escravos, o enfraquecimento do exército, determinaram a decadência de uma época liderada por imperadores e suas lutas em pleno Coliseu. Era o fim da antiguidade.

Um pouco mais adiante, vimos Hitler e sua Alemanha nazista, França, até que chegamos ao Tio Sam. Alguns, até diziam que a crise não seria pior do que a de 29, pois não havia sido registrado tantos suicídios, mas uma senhora de 90 anos se deu dois tiros por conta de uma hipoteca.

Será o fim de uma nova era? Acredito que sim, meu temor é saber quem assumirá o topo....que se abram as apostas!

,

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

A Carta Magna e seus 20 anos


A Constituição de 1988 completa vinte anos de vigência, com 56 emendas constitucionais, até agora, que tÊm por objetivo corrigir os erros do passado. Falhas diversas são apontadas por juristas, empresários, população, que não poupam críticas. Em pleno tempo de digitalização, ainda se discute qual o direito de privacidade que se deve garantir ao internauta. Em meio a polêmicas envolvendo os grampos telefônicos, chega a hora em que nossos governantes são chamados a avaliar a Carta Magna e adaptá-la a uma nova realidade que requer aprimoramentos para atender as demandas de uma nova era, um novo mundo, mas será que eles estão prontos e dispostos a modenizar, a avançar? Apesar de se tratar de um instrumento da democracia e de - teoricamente - garantir os direitos do cidadão , a Constituição completa esses 20 anos em meio a considerações negativas no que tange seu sistema tributário, extremamente pesado, confuso e que necessita de reavaliação. Em seu aniversário, o Texto reflete nossos confusos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, com um conteúdo extenso e repleto de leis que regem uma sociedade utópica. Digo utópica, pois se tratam de normas que não funcionam e nem são colocadas em prática. A Constituição garante a todos o direito à saúde, à vida, à educação, mas qual a porcentagem dos brasileiros que possuem esses preceitos? O que está sendo feito para que essas regras sejam cumpridas? Temos artigos que prevêem conceitos que geram interpretações confusas e contraditórias, causando conflitos de competência entre os três poderes. Temos boas ferramentas, sábias palavras, intenções positivas, mas vinte anos é mais do que o suficiente para transformar idéias em fatos. Nosso País carece de um estado democrático de direito que seja íntegro, funcional, sério e eficaz. Estamos cansados de idealizar, queremos comemorar os próximos 20 anos com uma Constituição que não fique apenas no papel!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008



Firme e forte, em uma mistura de felicidade, de saudade, de esperança, de animação...
A sensação é que resta pouco, estou apenas aguardando o tiro de largada...
O pensamento vai longe e a crença é que mantém a vibração focada...

A foto acima de Marilyn Monroe foi tirada em 1962 no Hotel Bel Air, em Los Angeles. Hoje, 46 anos depois, o autor da foto pede R$ 1 milhão pela obra. 46 anos depois...como pode...

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Nem mesmo o tempo


Há meses que parecem anos, semanas que parecem meses, dias que parecem anos.

Há minutos que permanecem pra sempre, horas que duram uma vida, segundos que são eternos.

Há toques que não se apagam, olhares que não se perdem, cheiros que não se esquecem e pessoas que, nem mesmo o tempo, desaparece.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Tudo a seu tempo e seguindo seu curso, sei que a regra é válida e evidente, assim como a Justiça, que pode tardar, mas não falhar. Por outro lado, acho que sem nossa ajuda, o destino não se movimenta, o tempo não passa.

Sou daquelas que acho que para tudo existe um por que e que, por mais que a gente fuja, o que é para ser nosso, será, mas também acredito que não podemos deixar apenas acontecer, se mantendo imóveis. Acho que atitude, energia, pensamento, tudo conspira junto, a favor ou contra.

Podemos viver meses e, até, uma vida a nos enganar, mas sei que, mesmo que dure segundos, sempre nos damos conta da nossa verdade, sempre caímos em si e enxergamos, claramente, que estamos apenas nos enganando e vivendo um dia-a-dia teatral, porque no fundo, sempre sabemos a essência, o valor e o que, de fato nos importa e faz falta.

Podemos viver uma vida com muitas ligações, com contatos de diversos graus, mas aqueles com borboletas no estômago, que nos desafiam profissionalmente, que nos beneficiam com uma amizade sincera, que nos traz a sensação de liberdade, que nos faz proferir as palavras sem máscaras, que nos conhecem através de um único suspiro, essas ligações são únicas.

Pode ser que você nunca tenha a sorte de sentir um aperto na coluna, nada de frio na espinha, porque um aperto na coluna nos faz enrijecer de medo e de tesão; nos faz elouquecer de desejo e de paixão; nos faz amadurecer de amor e de desilusão; nos faz crescer de tristeza e emoção; nos faz chorar de sincronia ou separação.

Acredito em tudo isso e que no fim, nem que seja bem no fim, todas as verdades sem-pre nos são ditas; mesmo quando teimamos em não escutá-las. O meu consolo é que sei, exatamente, onde fica meu chão, onde fica meu céu.

Ando deixando de me escon-der e entregar tudo nos braços do amanhã, ando procurando, ando me mexendo, indo além, lutando, iluminando, para tornar essa minha verdade, essa minha busca, em realização, em fato.

"O verdadeiro amor nunca morre, ele apenas fica adormecido nos braços da esperança..."

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

AMIGAS


Eu cresci escutando teorias de competição entre mulheres, das famosas fofocas entre amigas, das brigas por causa de um cara qualquer, das crises de TPM que alteram os humores. Cresci em um mundo muito mais masculino, com muito mais amigos, por me identificar em certos aspectos e, também, temer essas rivalidades que tanto escutei falar.

Depois de crescida, eu percebi que esses conceitos não espelham de forma fiel a realidade, pelo menos não o meu círculo de amigas, sim, porque ter um grupo de qualidade requer, ainda, uma certa sensibilidade, humor, paciência e maturidade para saber separar o joio do trigo e entender que, uma palavra agressiva não significa um mal-querer, que uma ausência não quer dizer que não quer te ver.

Por esses e outros motivos, hoje, fico contrariada com essas lendas urbanas que insistem em colocar em dúvida o conceito de amizade entre mulheres, sim, porque se for levar ao pé da letra, apenas os homens são capazes de ter um relacionamento desta natureza e fiel, afinal, a amizade entre homem e mulher também é questionada por pessoas em sã consciência.

Pois não só defendo a amizade entre mulheres como também vou além, não só afirmo que há amizades genuínas, como também sustento que elas requerem fermento, tempo e só são dignas de total confiança quando todas as envolvidas são MULHERES, falo da mulher bem-resolvida, ciente dos erros, dos defeitos e à vontade com sua beleza, sensualidade e inteligência. Não adianta querer falar de grupos envolvendo meninas, má-índole, falta de caráter ou bom-senso, o grupo requer razão, transparência, personalidade.

Este grupo de amigas de qualidade, que eu tanto defendo, tem muito mais do que simples trocas de informações e empréstimos de roupas, porque inclui códigos secretos que somente o tempo nos faz enxergar: os olhares que dizem tudo, a compreensão por um chilique, a paciência com a TPM alheia, a força na hora de acolher a companheira que acaba de levar o fora, o respeito ao dizer não em consideração àquela que está sempre ao lado, a habilidade em aconselhar a outra a fechar a boca, o humor para lidar com alguma presepada no caminho e a disposição de gastar horas no bar para conversar sobre coisas totalmente inúteis.

Em minha trajetória, encontrei um grupo de melhores amigas, cada qual com uma particulidade que as faz as melhores para sorrir, para chorar, para suportar, para caminhar, para levantar, para brincar, para beber, para cair, para levantar!

É um grupo formado por MULHERES e acreditem AMIGAS, todas profissionais, mães, tias, filhas, esposas, amantes, chefes, ....todas encaixadas e abraçadas em minha vida, pelas loucuras, pelas surpresas, pela fidelidade, pela preocupação e pela presença que fazem toda a diferença e só me fornecem argumentos para encher a boca e dizer que desacreditar desses laços é estar muito mal-informado ou, até, muito mal-acompanhado.
Tenho pena de quando um homem, que teve a sorte de ser aceito por um grupo de amigas, se dá ao luxo de envolver mais de uma em alguma aventura romântica ou sacanagem sexual, porque neste caso ele acaba frito, devidamente assado e enterrado com os demais tocadores de banjo que tiveram a ousadia de se meter a besta e testar o valor dessa amizade.
ACREDITEM: EXISTEM AMIGAS SIM, AMIGAS, FIÉIS, ATENTAS, MALDOSAS E, QUASE SEMPRE, BASTANTE PERIGOSAS!!!

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Mulher Durona x Sexo frágil


Sou adepta, em parte, de que a mulher de hoje não é só cobrada, mas também gosta de fazer o tipo durona, mesmo que isso comprometa sua saúde mental. Acredito que nós mesmas nos cobramos em ser aquela mulher que lava (manda lavar), passa (manda a empregada passar), fica linda (as custas de salão no único horário livre), fica magra (porque vive seguindo uma dieta de fome), é amante (porque todo mundo gosta de sexo), é mulher com M maiúsculo (que impõe seu ponto de vista porque, do contrário, o fulano monta em cima), é profissional (porque além de ter competência, tem de provar, diariamente, que não deixa nada a desejar se comparada ao sexo masculino), é mãe (porque tem que verificar a lição de casa e ir na reunião dos filhos), é motorista (pois leva, pega, traz, todos os indivíduos e serviços que sua demanda exige). Essa correria e exigência que nós mesmas nos cobramos, tem um "quê" de charme ao fim do dia quando escutamos um elogio, tem uma pinta bacana quando o chefe reconhece as habilidades, tem uma natureza instigante quando nosso companheiro ou pais nos admiram com orgulho, mas a que preço?
Porque além de fazer tudo isso, ainda temos de encontrar um equilíbrio, saber parar e descer do trem antes que ele descarrile. Temos que dar uma parada para lembrar-nos de que, por trás de toda essa linha dura, existe uma alma feminina, ao estilo antigo. Temos de pedir ao moço da vez para abrir uma lata porque não conseguimos, para trocar o pneu porque não levamos jeito para a coisa, para fazer a declaração do imposto porque odiamos números ou, até, para ele ler o mapa porque não temos nenhuma bússola (mesmo que todas essas alternativas sejam enganosas).
Queríamos direitos iguais e conseguimos.
Queremos ir pra cama com alguém, então vamos a luta. O preservativo eu mesma carrego na bolsa.
Queremos ir viajar sozinha pelo mundo, então sumimos na estrada. A carona eu mesma peço.
Queremos filhos para a nossa vida, então arranjamos um esperma. Da educação, eu mesma cuido.
Me pergunto se somos mesmo e ainda o sexo frágil, porque nos cobramos tanto, que moldamos um modelo difícil de carregar e o pior, manter. Ás vezes me pego pedindo - intimamente - um break, mas toda esta pinta de mulher durona que caprichei para desempenhar realmente colou, todo mundo acreditou e, agora, não dá mais tempo pra voltar atrás e explicar que "as coisas não são bem assim". Todo este estilo independente, bem-resolvido e do tipo que prefere ignorar o passado funcionou e, agora, fica complicado de explicar que a resposta pra tudo isso é medo.
Sei de todas essas verdades porque tenho amigas, enxergo esta realidade dia-a-dia porque faço parte deste nicho, mas, no fim, acaba tudo voltando a este modo, ao modo durona, porque a verdade, de verdade, é que ninguém mais tem forças para dar a cara a tapa e mostrar que de durona fica só o "molde", a "face". Somos todas sexo frágeis, endurecidas pelas agruras da vida e fechadas demais para voltar atrás e recobrar aquela fragilidade adocicada de sexo frágil que nos dá a esperança por um sentido ou uma pessoa durante e por toda a vida..."

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

resumo da semana....mas com um sono que, apesar de profundo, tem uma sensação maravilhosa,...to de volta ao diário, ebaaaaaaaaaaaaaaaa

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Toda quinta-feira é assim...começa a me dar coceira e quero sair, a pomba-gira fica ao lado e ai já era, eu nem tento resistir...ainda mais hoje, calor, sol, companhia e show do double you...estou até com tremedeira...rs

Eu vi no blog da Aninha e ai me empolguei.....to bem no clima desta música mesmo...dia de sol, to mega feliz e atacada, A-TA-CA-DA!!!!!!!!!!

(Fábio Junior - Composição: Guilherme Lamounier)
"Enrosca o meu pescoço, dá um beijo no meu queixo e geme. Que o dia tá nascendo e nos chamando prá curtir com ele...Eu adoro esse sorriso bôbo. Na tua cara de assustada. Enrosca o meu pescoço e não queira mais pensar em nada. Pensa em nada!...

Encosta o teu ouvido em minha boca que eu te boto tonta. Desliza a tua mão no meu cabelo e aperta a minha nuca...Eu adoro esse sorriso bôbo. A tua cara de assustada. Enrosca o meu pescoço e não queira mais pensar em nada. Pensa em nada! Enrosca o meu pescoço no meu queixo e geme (Geme!). Que o dia tá nascendo e nos chamando prá curtir com ele...Adoro esse sorriso bôbo. Na tua cara de assustada. Enrosca o meu pescoço e não queira mais pensar em nada....

Encosta o teu ouvido em minha boca que eu te boto tonta. Desliza a tua mão no meu cabelo e aperta a minha nuca...Eu adoro esse sorriso bôbo. A tua cara de assustada. Enrosca o meu pescoço e não queira mais pensar em nada(Pense em nada!)...Enrosca o meu pescoço e não queira mais pensar em nada ...

quarta-feira, 3 de setembro de 2008


O dia tá quente, a TPM chegou a um nível INSUPORTÁVEL, mas estou tentando me segurar com uma bela barra de diamante negro, o pior...o fone não toca...mas o msn apareceu...eba, eba, eba....acho que a agonia tá acabando...rs, tomara!!!


Vou começar a evitar a avenida próxima ao aeroporto, estava trafegando diariamente por ela, mas já é a segunda vez que isso rola, to fora de dar sorte ao azar...que horror...fala sério...

Agora embriaguez é agravante que pode levar o condutor, seja ele culpado ou não por acidente, a perder o seguro. Escuta, que direitos nós ainda temos? Não posso tomar mais do que uma lata de cerveja, comer doce com rum, pago a mais se outro condutor estiver com meu veículo, pago taxas por tudo, a multa virou uma feira....mas e ai, que direitos eu tenho???
Que raiva!!!

terça-feira, 2 de setembro de 2008


Acabei de resgatar meu carro e consertar o vidro, mas no painel, aquela luz inconveniente já acendeu. Parei o veículo e escutei a infeliz notícia de que o carro estava aquecendo demais e que estava vazando água do radiador (pela segunda vez no mês!). Ok, abasteci de água e fui rezando pra chegar sã e salva ao trabalho, sem fundir o motor (de preferência!). Respirei fundo (ao estilo respiração cachorrinho) e estampei meu melhor sorriso na cara. Nem bem pisei no local e já me disseram que não havia internet, ou seja, não havia como trabalhar. A previsão, que era para o início da tarde, não se concretizou e eu aproveitei para caminhar no bairro durante uma tarde de sol. Liguei para papear, mas obviamente todos os meus amigos estavam ocupados e eu, com ataque de "palhacitos"resolvi gargalhar diante de minha aflição, aliás, diversas aflições: e-mails para checar, entrevistas para confirmar, telefones que deveriam ser encaminhados por mensagem eletrônica, textos que deveria terminar e, para piorar, a ligação me avisando da data não rolava. Na volta deixei meu carro pela quarta vez no mês na oficina, caminhei com blusa, 3 agendas e duas pastas por uma ladeira imensa. Quando, finalmente, consegui me conectar, tive que engolir meu berro de raiva diante das mensagens que não confirmavam presença nos eventos, nem davam resposta às entrevistas. O telefonema que continuo esperando não rolou e, de quebra, tive que me conformar que a minha porção legal não deve mais sair de casa.

Hoje ainda é terça-feira e após 7 dias continuo aguardando....TO DE SACO CHEIO DE ESCUTAR QUE TENHO DE TER PACIÊNCIA. QUE RAIVA...TO DE TPM, AS PESSOAS NÃO COOPERAM, O TEMPO NÃO PASSA, O CARRO NÃO FUNCIONA, O TELEFONE NÃO TOCA, A PAPELADA NÃO FICA PRONTA E TEM GENTE QUE LEVA MAIS DE DUAS SEMANAS PARA VERIFICAR A AGENDA.

VONTADE DE MANDAR TUDO A PQP....TEM DIA QUE É COMPLICADO VIU....


tá, tá, tá.....ainda to escondendo esta raiva em meu coraçãosinho....mas não consigo evitar....ainda bem que não sou o incrível huck...

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Tinha planejado jogo tranquilo na casa de amigos. Nada demais, além de uma capirinha e palhaçadas por conta de jogatina despretenciosa. Marquei cedo pra dar um tom de Happy hour, mas não adiantou muito. A coisa rolou até quase de manhã, o jogo virou uma revelação (rs) e a tranquilidade foi para o saco. Nada de roda de amigos e bate-papo sobre política. Tava mais para uma micareta entre queridos, que tornaram a varanda uma pista. Dava pra ver o que tinha acontecido pela manhã...a sala virou o fim de balada e a cabeça latejava como se tivesse acabado de chegar da trash!!! QUERO MAIS!!!! (rs)

Comédia Stand-Up


Sensacional!!!

Caia em si (devaneando!)

Caia fora deste dia-a-dia de restos, dessa gente que não te trata bem, jogue-os na lixeira, como um troço qualquer.
Caia em si e enxergue este seu sorriso que ilumina meu mundo.
Garoto, escute minhas palavras, siga meu tom porque é com você que fico sem ação.
Tire sarro dos absurdos, se deixe levar e veja que vale a pena mudar.
Veja o que está na sua cara e se deixe dar valor. Você vai ver o quanto isso é bom porque comigo, garoto, como disse, as coisas nunca saem do tom.
Escute minhas palavras, siga meus sinais porque no final do dia, garoto, se você deixar, teremos nossos ruídos, produzidos pelo som dos nossos gemidos, é só você deixar eu te amar.
Jogue fora os panos velhos, se desfaça de fantasmas e ouça o que tenho falado de bom.
Não finja que nada mudou, nem ignore nossa respiração.
Garoto, me deixa te mostrar o que é um futuro sem prisão.
Caia em si e se desfaça dos medos, não me compare e nem tema me contar seus segredos porque, acredite, garoto, seu corpo pra mim é um oásis.
Pare de fugir, a vida não precisa ser tão difícil, porque, garoto, comigo, as coisas são bem mais fáceis.
Caia em si e encare aquilo que está na nossa cara!
Reaja, se entregue, aposte, porque, garoto, comigo, apenas sonhar, não está com nada!

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

SONO, SONO, PREGUIÇA, PREGUIÇA E VONTADE DE SAIR...vai entender...

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Não suporto esperar, principalmente quando estava tranquila, na minha, e ai vem alguém e dá uma notícia pela metade. Tudo bem que é uma mega, ultra, super notícia, praticamente, um presente de aniversário dos deuses. O problema é ter que aguardar e ver que as horas não passam, o dia não acaba e fica aquela pendência, aquele pequeno detalhe para resolver sua vida. Tá, tá tá...eu sei que estou feliz (e muito), hoje saiu materinha bacana com minha autoria, recebi e-mail legal e tô numa super boa...mas...ai...sabe que nem consigo relaxar, mesmo com as boas gargalhadas garantidas pela Terça Insana que tive com um querido amigo insano...ai...e dá-lhe respiração cachorrinho.....

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Reunião entre amigos!

Uma mesa de sinuca, em volta somente rostos amigos, petiscos aqui e acolá e assunto na ponta da língua, enquanto tem gente na roda do truco.
A música de fundo não segue uma ordem lógica e a barulheira ensurdecedora é da gargalhada alta e vinda de todo o grupo.
Não existe tempo para lamentações, ali, só há espaço para uma troca de figurinhas sobre o resultado do jogo e a vontade de que tudo não fique somente no um a um.
Inexiste a importância da comanda, a lei seca é ignorada e o que há além do rosto bonito todo mundo já conhece. Porque, ali, o que se leva em conta não é a beleza, mas o cheiro; não é a carteira, mas a piada; não é o número, mas a qualidade.
Não existe um julgamento e nem pré-questionamento; o que é, é, e de fato! Sem máscaras! Sem medo das surpresas!
O pedaço da pizza é distribuído, tem pra todo mundo, e o ponteiro do relógio continua rodando e apontando um novo dia, ainda melhor, ainda mais engraçado. Enfeitado com faces amigas, tacos de confiança, cartas de aposta para um amanhã, um amanhã mais feliz! Um amanhã com um horizonte confiante, maduro, alegre, entre amigos e só para vips!!!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Quem tem amigos, tem tudo....


Amizade resume a passagem do meu aniversário, a amizade de pai, de mãe, de irmãs, de amigos, de amigas, de primos, de lindos que tornam minha vida especial...tudo isso demonstrado em forma de palavras, surpresas, telefonemas, mensagens, sorrisos, presenças....
Amores, muito obrigada por existirem!!!

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Charme, será?

Charme tem um certo "quê" instigante, é misterioso, atrativo, desafiador, mas tem limites. A linha entre o charme e a indecisão é tênue e pode colocar um fim em toda a graça do jogo. Quando o charme ultrapassa o tempo apropriado ele vira intragável, imaturo, desnecessário. A dificuldade torna o produto invendável. A admiração vira irritação, a sensualidade vira criancisse e, se havia algum amor, coloca-se tudo a perder com a raiva. Tudo tem seu tempo e o bom senso faz parte (ou pelo menos deveria fazer) de nossos instintos. Por outro lado, tem gente que pela cegueira e egoísmo acaba metendo os pés pelas mãos e colocando tudo a perder, sem nem sequer notar que aquilo escapuliu, em um piscar de olhos, sem chance de recuperação....

quinta-feira, 14 de agosto de 2008


(recebi por e-mail, perfeito!)

Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida!!!
Detesto quando escuto aquela conversa: 'Ah, terminei o namoro...' 'Nossa,quanto tempo?' 'Cinco anos...Mas não deu certo...acabou' 'É não deu...' Claro que deu!
Deu certo durante cinco anos, só que acabou!!
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores...()... Não acredito em pessoas que se complementam.
Acredito em pessoas que se somam se completam... Às vezes você não consegue nem
dar cem por cento de você para você mesmo,
como cobrar cem por cento do outro? E não temos esta coisa completa.
Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é malhada, mas não é sensível. Tudo, nós não temos. Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia.
E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona... Acho que o beijo é importante...e se o beijo bate...se joga ...senão bate...mais um Martini,
por favor...e vá dar uma volta. Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não lute, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença. O ser humano não é absoluto!!!
Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama! Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família????
O legal é alguém que está com você por você. E vice versa. Não fique com alguém por dó também. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós.
Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado!!! E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua,
seu olhar, seu pensamento. Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia? Gostar dói! Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte.
Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo.
E nem sempre as coisas saem como você quer... A pior coisa é gente que tem medo de se envolver!!!
Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta.
É mais previsível!!!!Na vida e no amor, não temos garantias... E nem todo sexo bom é para namorar.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear. Nem todo sexo bom é para descartar... Ou se apaixonar... Ou se culpar. Enfim...quem disse que ser adulto é fácil???
Heinnn???

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Fonte, perguntas, telefonema, contato, prazo, fechamento, edição, cliente, palestrante, confirmação, e-mail, fax, resposta....loucura, loucura, loucura, que eu adorooooooooooo...de volta ao diário, delícia!!!

terça-feira, 12 de agosto de 2008

A Rússia invadiu a Geórgia...é, esta foi a última guerra que se teve notícia. Ali na terra do Tio Sam vem o Seu Bush e diz que é inadimissível em pleno século 21 um país invadir outro que teve o governo eleito por uma votação direta (quer dizer, se não há votos diretos pode-se invadir e decretar uma guerra como no Iraque seu Bush?) . Lá, do outro lado do mundo, duas judocas, uma russa e uma da Geórgia, se abraçam e posam com suas medalhas olímpicas. Alguém, por favor, pode olhar para elas? Podem seguir o exemplo delas? Não sei o que anda rolando, mas as pessoas perderam os rumos, esqueceram valores, não acredito em apocalipses vindo dos céus, mas tenho visto muito apocalipse vindo das pessoas, de forma individuais, passional e dura....que triste...

Eu li "Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída" quando tinha apenas 12 anos. Meus pais fizeram questão que eu tomasse conhecimento da existência de drogas e as consequências do uso, não sei se foi por isso que sempre me mantive distante disso, mas confesso que o livro me chocou bastante na época. Depois veio o filme, que novamente me chocou, mas no fim ela acabaria se livrando das drogas. O que não estava no livro e nem no filme é que ela continuaria lutando contra o vício. Domingo, a BBC publicou que ela novamente está usando heroína, fugiu com o filho para Amsterdã, e agora é vista consumindo drogas em praça pública enquanto seu filho está em uma casa mantida pelo governo até que se decida o que farão com ele. Ela foi a primeira figura que tive quando pensava em um viciado, depois, infelizmente, encontrei amigos, colegas e conhecidos que foram pelo mesmo caminho, alguns nem tive mais notícias e nem sei se ainda estão vivos...O que me choca nisso tudo é que esta mulher, Christiane F., é uma dependente desde os 13 anos. Hoje, ela tem 46....fico pensando na vida dela, no quanto deve ser triste viver dependendo dessas substâncias enquanto a gente acaba tendo preocupações tão mundanas...tenho pena, muita pena, porque ela é apenas uma referência, a realidade é bem mais dura que isso...

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

A amizade faz isso com a gente...


Ok, você insistiu e conseguiu. Bebeu até a última gota, exterminou a garra e eliminou a esperança. Notei sua fúria exposta pela quantidade de água que não caía há mais de um mês. Não entendi o por quê do castigo e nem quero mais descobrir o motivo. Você conseguiu anular minha vontade e fé. Já não tenho onde me apegar e nem pra que me levantar. Quando me coloco em pé você volta e me atola novamente em um buraco escuro. Não ouso mais colocar minha cabeça pra fora porque cansei de dar minha cara a tapa. Esqueci como se sorri, não sei mais qual o sabor do toque carinhoso e não me lembro mais o que significa viver. Convivo com um vazio que me corrói aos poucos, com um ácido que derreteu minha alma. Eu vejo, mas não enxergo. Escuto, mas não ouço. Sofro, mas não sonho. Acordo, mas continuo dormindo. Você conseguiu, me levou a aura, os resquícios, as memórias, tudo que um dia me fez ser uma pessoa. Sobrou apenas o físico, o resto há tempos está morto, mas ontem, ontem você conseguiu tirar a única coisa que restava em mim, que fazia lembrar que um dia fui um ser humano. Você insistiu e conseguiu levar minha semente, minha essência, meu brilho, um relâmpago de olhar....você conseguiu....estou aqui, mas estou recolhida e morta, no buraco que me colocou e não ouso, nem quero mais escapar...

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Laços...



Eu preciso mesmo, ás vezes, na maioria delas, parar de ser tão crítica comigo mesma e com as pessoas. Preciso entender que cada um tem sua forma de demonstrar amor, carinho, atenção, preocupação. Preciso compreender que cada um tem seu tempo e sua maneira de extravasar a emoção. Preciso de tanta coisa e ao mesmo tempo de nada, porque tudo que preciso, está ali, mesmo que eu não possa ver e nem tocar, eu sinto, está ali, na verdade, sempre esteve, nunca deixou de estar...


NAMASTÊ


De repente a gente conhece pessoas do nada, daquele tipo que você senta ao lado e acontece uma liga. O papo flui, a risada é instantânea e quando você vê tem a sensação de que se conhecem há anos. Eu tinha uma teoria, a teoria da atração entre pessoas com a mesma energia, a mesma sintonia, mas escutei uma melhor, que acredito resumir muito esta sensação, a teoria da curva de rio.
"As águas do rio, quando limpas, vão até o centro, elas seguem sem serem barradas por nenhuma curva, mas repare na sujeira acumulada nos rios, esta sujeita fica nas curvas, ela é retida lá e não consegue chegar ao centro." Acho que isso acontece também com as pessoas...agradeço por ter ao meu lado todas as que conseguiram ultrapassar as curvas, os obstáculos, as fases, os erros, as etapas...

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Caras (e bocas!)




Não gosto de frescura, desprezo arrogância e ignoro este papo de “classes”.
Em meio a tudo isso surge este pseudo “ícone da burguesia” paulistana, o novo shopping “Cidade Jardim”.

Construído em plena Marginal Pinheiros, com torres com apartamentos milionários, sem entrada para pedestres ou marcas populares, o local, ironicamente, virou atração para os, “digamos”, menos favorecidos. Isso mesmo, um público que vem do Jardim Ângela e similares para ver de perto o templo do luxo e da hipocrisia.

Simultaneamente, vendedoras com ares de petulância e uma esfera marcada pelo preconceito reage a este fenômeno, com críticas, revolta e olhares tortos.
Me pergunto quando vejo isso, fato descrito e fotografado nos jornais, que país é este? Que gente é esta? As favas com este mundo de “Caras" (e bocas).

Quero mais que o povo invada, desmembre esta nova praia e afunde o navio “Daslu”.

Finalmente caiu água nesta cidade...estava ansiosa por umidade, cansada de respirar por meio de bombinha e esgotada pela seca...welcome terra da garoa

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Não estava esperando aquilo, mas tudo bem, recuei.
Não estava sentindo aquilo, mas tudo bem, aceitei.
Não estava contando com aquilo, mas tudo bem, adorei.
No meio de tanta gente reencontrei conhecidos, remarquei telefones, reencontrei comandas, de saldo ficou um holofote de rua no banco de trás e a certeza de que são só os últimos suspiros...tá acabando...tá chegando...aí, revi uma pessoa, uma espécie de ídolo, daqueles que ficam no palco...tá todo revitalizado, mais bonito, mais simpático e cada vez mais querido!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

A Felicidade te mantém gentil.

Os obstáculos te mantém forte.

As mágoas te mantém humano.

Os choques te mantém humilde.

(autor desconhecido)

quinta-feira, 31 de julho de 2008

"Faça o que for necessário para ser feliz, mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade."
Mário Quintana
(Ps: tem gente que não consegue ser feliz...a coisa tá ali, na mão, mas a pessoa não consegue esticar os braços, baixar a crista e assumir...a covardia é maior ...)
me peguei pensando em vc....foi um flash...mas voltei a si...chega desses "flagras"...

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Amigos...


Tenho sorte de ter bons amigos, mesmo!
Sabe quando falam que ter um amigo é um presente de deus ? Pois é, esta tal escassez que costumam falar nunca me pegou. Sou abençoada por me permitir dizer que não tenho apenas um bom amigo, mas vários. Claro que não são centenas, mas são uma boa dúzia que trago de tantas épocas e referências diferentes.
Eles não me fazem bem apenas por serem meus amigos, eles também me fazem lembrar de mim mesma em cada período da vida. Eles me fazem recordar a melhor parte de mim. Fazem com que eu sorria a toa no meio do serviço e dê boas gargalhadas das presepadas sem fim.
Na verdade, acho que a maioria não sabe o quanto os estimo, nem o bem que me fazem, mas, o que importa mesmo é que sei que a gente irá se cruzar novamente. Mudados, claro, mas trazendo por dentro aquela semente chamada "saudades"...
Ainda bem que mesmo com a memória com lapsos mantemos o nível e a cara de tranquila......descobri por fotos que, por mais esquecimentos que possamos ter, as câmeras registram tudooooooooo......

terça-feira, 29 de julho de 2008

Ah....


Não sei muito bem por que, mas eu desconfio de gente que não bebe cerveja.
Não que eu deixe de conviver, tratar bem, ficar amiga e até gostar, mas sempre fico me perguntando o que será que eles têm de errado.

Conheço um tipo que não consegue beber cevada, mas adora um whisky.
Agora me explica como alguém pode dizer que a cerveja não desce bem, mas que aquele whisky puro, ao estilo cowboy, “desce macio e reanima”?

Tem um outro que acha cerveja “bebida de pobre”, alguém o avisou que ela é a bebida mais consumida em todo o mundo?
Que há cursos que ensinam sua composição e temperatura?
Que há amantes de todas as partes, padrões, classes e idades?
Que nada casa melhor com um dia de sol do que uma cervejinha gelada com os amigos?

Que me perdoem aqueles que rejeitam aquele copinho gelado, com o colarinho escorrendo pelo copo durante um brinde animado, mas cerveja pra mim é questão de sobrevivência! Quer saber por que sobrevivência? Simples:
Já viu jogo da seleção sem cerveja na mão?
Já ficou em um churrascão sem a cerveja na mão?
Já sentou em um botecão sem ter uma cerveja na mão?

Gostar de cevada não é meramente um detalhe.
Não é meramente apreciar um grão.
Gostar de cevada é, também, ser mundano.
Vou além! É saber estimar, com outros olhos, este Mundo Mundano!

segunda-feira, 28 de julho de 2008

PS: Eu te Amo!





O filme é uma daquelas obras que sempre faz a gente parar e pensar. Além de rir, me identificar, chorar, refletir, senti todo aquele luto, aquela saudades. Recordei as piadas e os olhares cúmplices. A dor e todo o amor. Os toques e a história. O cheiro e as memórias. Tudo que me dava a certeza de que eu era dele, de que pertencia a ele, mas o que mais senti foi que de qualquer forma, nada vai mudar, pelo menos por enquanto.

Porque eu continuo sozinha, porque sou eu que faço minha história, porque chega uma hora que temos que parar de esperar, temos que celebrar a vida, temos que nos reapaixonar.

PS: Adivinha só....Eu me amo...


Só quero chocolate...




Dizem que o chocolate é paixão mundial, que seus efeitos são similares aos do orgasmo e que ele até substitui o sexo.
Tudo bem que o chocolate pode proporcionar delícias a dois, colorir ainda mais um cenário suficientemente colorido, incrementar uma receita especial, acalmar uma carência momentânea e até fazer parte de um jantar com más intenções, mas existe coisa melhor do que chegar em casa após uma noite fria e solitária e se esquentar com um saboroso chocolate quente?
Ganhar uma caixa de trufas de aquele alguém que faz a gente ter borboletas no estômago?
Dividir uma barra com a companhia ideal para ser seu cobertor de orelha?
Quando penso em chocolate sempre me vem algumas coisas:
Paixão, amor, sedução, sexo, intimismo, carência, ansiedade, tristeza, namoro...
É o tipo do prazer que pode estar associado à malícia e ao choro, ao auge e ao final, ao companheirismo e à solidão.
Está mais do que certo que não vivemos sem chocolate; que ele funciona como um pretinho básico, quase impossível de errar; que pode significar alívio e desejo, tesão ou tensão, mas você já viu algum amor que nunca dividiu a colher de brigadeiro? Algum namoro sem fondue? Algum término sem barras e alguma tristeza pelo vazio deixado acompanhado de bombons recheados?
Ele é, praticamente, unânime.
Intitula músicas, momentos e tradições.
Traz consigo esperança e insanidade.
Pode ser mundano, pode ser sereno.
Pode ser a noite ou pela manhã.
O que importa é que nós sempre queremos....chocolate...

sexta-feira, 25 de julho de 2008


Me surpreende o retrocesso das pessoas. Conversas insanas com um tom amador e adolescente. Uma malícia falsa e um tipo com o qual nada tem que ver.

Sei que todo mundo, ás vezes, surta e é capaz de ter atitudes similares as que teria com 13 anos, mas a certa altura, chega a ser patético. Me causa, de primeira, pena. Depois vem a raiva e ai chega a gargalhada. Exatamente quando uma criança nos faz malcriação.

Não sei por que procuram me amolar, me cutucar e mexer com que está quieto. Não entendo qual a finalidade da fala de coisas absurdas e de atitudes malucas. Tão pouco compreendo o motivo pelo qual chego a me exasperar com tamanhas asneiras. Acho mesmo é que voltei a terra do nunca, onde é proibido crescer.

O problema é que eu já sou adulta e coisas infantis só ficam bonitas em crianças. Quando escuto de adultos, essas besteiras já não me fazem sorrir, nem chorar, e entre meus objetivos, não está inclusa a vontade de não evoluir, de não amadurecer...

quinta-feira, 24 de julho de 2008

A CARA DOS MEUS AMIGOS...RS




Desejos...



Quero encontrar, urgentemente, o botão do foda-se.

Ter um teclado com as opções "perda de memória" e "orelhas seletivas".

Quero inventar uma mágica que acabe com a angústia e violência, um remédio que elimine a ansiedade e um xarope que recupere a fantasia.

Quero uma bomba de amor, um olhar que cure e uma comida que garanta saúde.

Quero uma pílula que traga fé, um creme que forneça juventude, uma água que resgate a esperança.

Quero uma conferência para voltarmos a ser crianças, uma palestra para aprendermos a nos respeitar, um seminário que assegure felicidade e uma arma que dê cabo de todas as cicatrizes.

Quero um jeito de voltar a viver, uma receita de felicidade, um antídoto para quem perdeu a confiança e uma certeza de que sempre vale a pena...quero libido, quero desejo, quero um novo começo!


Tem dias que a gente se sente assim....cansada, podre, sem energia...

São cinco meses, exatamente, 152 dias. São, exatamente, 3.648 horas arrastadas, sobrevividas, esparramadas...quantas mais você ai em cima quer me fazer passar? Eu tento, mas parece que você rema ao contrário. Dizem que você fecha uma porta e abre duas janelas, mas até agora tem me mantido em uma solitária. Se isso é para algum propósito, acredito que seja para total desrespeito, não por mim, mas por você, que, pra mim, sequer existe...

quarta-feira, 23 de julho de 2008

"Paquerar é bom, mas chega uma hora que cansa! Cansa na hora que você percebe que ter 10 pessoas ao mesmo tempo é o mesmo que não ter nenhuma, e ter apenas uma, é o mesmo que possuir 10 ao mesmo tempo.Nessas horas sempre surge aquela tradicional perguntinha: Por que aquela pessoa pela qual você trocaria qualquer programa por um simples filme com pipoca abraçadinho no sofá da sala não despenca na sua vida?"
(Luiz Fernando Veríssimo)


Não aguento mais marteladas e furadeira me acordando diariamente, nem nariz escorrendo e respiração falhando. Não chove há um mês, há uma reforma em casa, pó para todos os lados, poluição gritante e minha única salvação tem sido meu inalador.

Chego a me assustar quando vejo minhas mãos tremendo por causa do aerolim e minhas olheiras pelas noites mal dormidas.

Queria poder estar em algum local úmido, com menos poluição e mais distração. Queria me desapegar da bombinha, deixar de viajar com o inalador e esquecer a existência de lenços de papel.

Tá difícil esconder a cara de acabada, trabalhar com a respiração vacilando e ainda fazer pose de bonita...

terça-feira, 22 de julho de 2008

Papo de botequim



Costumo reunir meus amigos em algum boteco, de preferência, na Vila Madalena. Não tem muito motivo para nos encontrarmos, não precisa ter futebol, uma prestação de socorro em crises existenciais ou uma tarde de sol que casa bem com um chopp gelado. Na verdade, basta termos um tempo que vamos para algum bar jogar conversa fora.

Impressionante como minhas amigas são a grande maioria nessas reuniões, o quorum masculino tem sido escasso e, ás vezes, até nulo. Prova de que este tal papo de boteco não é mais coisa de homem, mas também de muitas mulheres (falo de MULHERES, não de meninas, que fique bem claro!). Não sei se eles andam cansados ou envergonhados com nosso papo de botequim!!!

Em pauta tem muita coisa, aquela futilidade que só mocinhas entendem: a bolsa que trouxe de uma viagem, o sapato bárbaro que garimpou em alguma loja, uma ponta de estoque nova, uma liquidação imperdível ou um filme sobre nosso universo como Sex and the City. Entretanto, nada é mais discutido do que este misterioso mundo masculino – costumamos dizer que homens deveriam vir com um manual de instrução e um ícone ajuda em casos extremos!

Ultimamente, minhas amigas têm utilizado o papo de boteco como uma ferramenta para desanuviar as idéias, falar mal de um qualquer que nos aborrece e tirar sarro daquela decepção que acabou de sofrer, afinal nosso lema é perder o namorado, mas a piada, NUNCA!

Dia desses uma amiga disse que terminou com o cara porque ele não sabia o que queria, não tomava uma atitude e ela queria ser feliz com um HOMEM e não um MOLEQUE. Há duas semanas uma outra fez a mesma coisa porque o cara não saia da barra da sai da mãe e ela havia chegado no limite. Há alguns meses a outra largou tudo e foi embora para outro país e uma outra não entendia porque ele ligava, marcava, mas não aparecia!

Eu não sei bem o que anda acontecendo com as pessoas, mas o número de términos têm sido tão freqüente e crescente, que já estou encarando o fato como”modismo”. Não sei bem se as pessoas cansaram de compartilhar, se andam querendo ficar sozinhas e ter seu próprio tempo, se deixaram de amar ou acreditar no amor, ou se isso são coisas dos astros como dizem os astrólogos. O que sei é que o bicho tá pegando para todos os lados e sexos.

Todo esse papo encoraja a chopada, que lota a mesa de copos e engorda a conta. O bom é que a grande quantidade de cerveja gelada acirram nossas línguas ferinas. O papo de botequim vira uma série de piadas com muita risada, sempre com uma fofoca de uma “vaca” que se engraçou com um ex-rolo, um comentário daquela “louca” que (bem feito) ganhou alguns quilinhos, ou um comentário do ex-lindo que acabou virando um babaca careca e pançudo. Tem espaço até para lembranças de desastres sexuais e comparações entre as atuações que, não tem como, são inusitadas e hilárias.

Acho que é por isso que esta botecada nunca deixa de ser freqüentada. É ali que nos despimos de pudores, esquecemos de olhar possíveis alvos, não nos policiamos com gestos ou palavras, não observamos nossos trajes e nem lamentamos a falta do sexo masculino. É ali que encontramos um tempo só nosso, livre de medos, livre de segredos, livre de vocês: Homens (mesmo quando vocês, a priore, viram o assunto de alguma conversa ou, até mesmo, participam dela)!!!
É ali que somos nós, e apenas nós, que comandamos, que conduzimos, que mediamos!


segunda-feira, 21 de julho de 2008

Estava tudo bem, calmo, tranquilo e, de pano de fundo, continha um pouco da minha emoção e energia recuperada, a noite acabou terminando em um amanhecer com um papo sobre a Grécia, que, se tivesse pratos, daria direito a quebrança em uma comemoração de um jeito bem peculiar dos gregos.

Não contente, fui parar no centro de uma cidade do litoral e, pra minha alegria e satisfação, o repertório contou com violão, voz, platéia e uma animação de cair o queixo. A banda, formada por amigos que não via há tempos, deu espaço até para Rosana e Chiclete com Banana.

O pique foi tanto que até acreditaram que tínhamos ido ao "Programa do Jô". O pano de fundo desta vez teve direito a gregos e troianos, mas quem brilhou foram meus amigos e eu...melhor, impossível!!!

Pena que a realidade não é esta e o dia-a-dia insiste em me dizer que ainda continuo aqui...sem vc...

sexta-feira, 18 de julho de 2008

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Independência ou Morte


(Autoria Martha Medeiros, para variar o texto é excelente!!!)

Tem uma série de coisas que a gente deseja na vida: uma profissão que nos realize, uma intensa vida afetiva, viagens, amigos, descobertas. Mas se eu tivesse que resumir em uma única palavra o que considero a mais importante conquista, esta palavra seria independência.

7 de setembro é o dia em que se comemora a independência do Brasil. No entanto, prefiro comemorar a minha, a sua, a nossa. Não há quem não sonhe em trabalhar por conta própria, ser patrão de si mesmo. Os que conseguem não trocam por nada. Como conseguir isso? Dominando um ofício, indo além do que os outros aprenderam, fazendo as coisas do seu próprio jeito, arriscando.
Parece difícil, e é. E mais difícil ainda é ser independente no amor. Paixão não entra nessa conversa. Quando estamos apaixonados somos todos dependentes de telefonemas, de e-mails, de declarações, de presença constante. Já o amor, que é um estágio posterior, mais sereno e seguro que a paixão, permite o desenvolvimento da independência. Você não precisa estar em todos os lugares que o seu amor está, você não precisa concordar com tudo o que ele pensa, você não precisa abdicar dos seus projetos, você se sustenta, você conta, você existe.
Tem gente que abre mão disso por puro comodismo. Prefere ser uma sombra, um sparing . Defende-se dizendo que não tem outro jeito. Mentira. É uma escolha. Ir sozinha ao cinema. Viajar. Pagar sua dívidas. Dirigir. Não afligir-se (tanto) com a opinião alheia. Saber cozinhar pra si mesmo, entreter-se com hábitos solitários como a leitura, pegar um táxi, resolver os próprios problemas, tomar decisões com confiança. Não “precisar” dos outros, e sim contar com os outros para aquilo em que eles são insubstituíveis: companhia, sexo, risadas, amizade, conforto.

Se você ainda não atingiu este estágio, suba num cavalo imaginário e dê seu grito do Ipiranga. Ficar amarrado à vida alheia faz você viver menos a sua. Nada de fazer-se de desentendida só para não se incomodar. Incomode-se. Dependência é morte.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

XÔ TPM...ufa, acabou...


E não é que tudo não passou de mais um sonho...



"Respirei fundo e senti aquele cheiro familiar, uma imagem me mostrou todos os seus traços. Enxerguei até aquelas pintas, os sinais das pequenas rugas, estava quase podendo escutar sua gargalhada. Parecia que estava te tocando, eu senti os pêlos arrepiados, o olhar cúmplice. Até o vocabulário era o mesmo, o cenário similar e a tranquilidade dava o tom àquele ritual romântico, espontâneo, sereno, fogoso, verdadeiro....pena que, de repente, eu acordei!"


terça-feira, 15 de julho de 2008

Gato & Rato




Ele se importa, mas nem tanto. Gosta, mas não muito. Tem carinho, mas não o suficiente. Sente falta, mas não procura. Quer ver, mas não liga. Quer sair, mas não convida. Quer tocar, mas não se aproxima. Pensa, mas não fala. Olha, mas não age. Observa, mas não atua. Escreve, mas não procura. Ama, mas não sabe. Sonha, mas não luta. Vê, mas não percebe.

Os personagens mudam, mas o enredo continua o mesmo...a eterna guerra, feito gato & rato...


segunda-feira, 14 de julho de 2008

Minha viagem acabou demorando mais do que havia planejado, só para um, básico, pit-stop na minha balada favorita, a trash.
Eu juro que pensei que não haveria um lugar mais insólito que este e, ingenuamente, desci a serra e encontrei amigos de séculos para uma ferveção.

Quando me toquei estava em um lugar com teatro, comédia, consciência social, meditação, coreografia, pitadas bregas, novela ao vivo, arquibancada, uma arara com fantasias...exatamente, lá, vc também pode ser um personagem.

Viciei....Café Teatro Rolidei em Santos...mais um lugar que não vou conseguir parar de ir. Não contente em não parar em sampa, vou ter que ir para Santos....

Confesso, essas coisas é que me dão uma renovada e me preparam para o resto da semana!
Sensacional!!!!!!!!!!!!!

O único problema é a conta corrente, cada vez mais vermelha e pobrezinha...

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Disseram que vem a sequência do filme....já estou na fila do gargarejo............
Simplesmente maravilhoso!!!

No susto, foi assim, tudo no susto, indicação, ligação, negociação, conversação e, infelizmente, negação. Tudo bem que não foi desta vez, mas tá chegando a hora. Sabe quando vc sente que a coisa tá ali....a centímetros de distância? Pois é...apenas uma questão de paciência, arte esta que, confesso, não possuo....haja unha e chocolate para acalmar a ansiedade...